Texto extremamente visual, aliás como o Carabina já nos habituou, mas o fantástico da sua escrita está no facto das suas descrições serem muito visuais, mas ao mesmo tempo deixam espaço para a imaginação do leitor... as suas descrições vêem-se, mas acima de tudo, pelo menos no que a mim diz respeito, sentem-se...
Anónimo a 19 de Abril de 2012 às 12:59