31
Jul 17
publicado por Sofá Rouge, às 22:50link do post | comentar

Ao amor de uma vida, enjeitam-se abraços eternos e beijos que não terminam em lábios carnudos. Sugam-se em bailados de línguas ávidas de cor e luz. Abraçam-se, entreabertas, as formas do prazer. Entregam-se. Desnudam-se. Ao amor da vida, voam dedos em pontas que vão e vêm, desenhando espirais arrepiadas de deleite, na pele que aguarda. Esperas eriçadas de suspiros ardentes e desejos ofegantes. Ao amor de uma vida, beija-se o tempo. Aguardam-se olhares cúmplices, de amores gritados ao vento. Sopram-se beijos de olhos fechados. Ao amor de uma vida, ama-se e diz-se e vive-se, respirando o cheiro a sono, das manhãs. Abraçam-se peitos em peitos de pele fresca. Despertam-se sentidos de olhos fechados. Enamorados. À vida, feita de amor, olha-se de frente, em horizontes perfeitos de final de dia. Suspira-se saudade. O amor de uma vida respira-se hoje, amanhã e sempre. Para sempre. Onde um beijo encerra o universo selado nos lábios. Amar, assim, é candura é doçura. É encerrar o mundo todo na loucura. É ser-se um mundo pleno de ternura. Amar, de uma vida, és tu. Sou eu. Somos nós. Eternamente nós

tags:

Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


comentários recentes
Das coisas mais belas que li... De uma simplicidad...
Maravilhoso texto sobre o tempo, um recurso que de...
Gosto da sua escrita... gosto mesmo muito, gosto d...
Não gosto de rótulos nem de catalogar as coisas......
Gosto tanto da forma como expõe ideias, gosto da m...
Posts mais comentados
43 comentários
39 comentários
18 comentários
13 comentários
11 comentários
Donativos
subscrever feeds