29
Out 12
publicado por Sofá Rouge, às 17:54link do post | comentar

Amar-te num espinho em erva doce
De rosas pretas de laço atado
É ter-te em beijos sem tempo pedido

Ou tempo perdido de não haver beijo
É amar-te assim como quem beija
Sem nunca beijar ou saber tão-pouco
Que o beijo que penso é nosso beijar
Pois nada até hoje foi beijo sequer.

Amar-te é rio de jogas brilhantes
Que lisas se quedam no leito que corre
Do tempo que espera o abraço perdido
Ao tempo que vai a alma gritar
A força do beijo que beija a seguir
A boca que ama a tua que espera
Num beijo pedido e esperado no tempo
Que dizem que amar é apenas
O nosso beijar.


B.R.U.T.A.L.
Anónimo a 30 de Outubro de 2012 às 20:57

Lindo
Anónimo a 30 de Outubro de 2012 às 21:02

Outubro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
13

14
15
16
19
20

26
27

28
31


comentários recentes
Das coisas mais belas que li... De uma simplicidad...
Maravilhoso texto sobre o tempo, um recurso que de...
Gosto da sua escrita... gosto mesmo muito, gosto d...
Não gosto de rótulos nem de catalogar as coisas......
Gosto tanto da forma como expõe ideias, gosto da m...
Posts mais comentados
43 comentários
39 comentários
18 comentários
13 comentários
11 comentários
Donativos